“Adeus Macau” na voz de Isa Manhão no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010

Macau 2010 Encontro Comunidades Macaenses Isa Manhao e Tuna Macaense 01.jpg

Não há como não se emocionar ao ouvir a bela canção Adeus Macau, seja qual for o/a intérprete. Possivelmente uma lágrima ou outra poderá escorrer no seu rosto.

Alguns associam a canção à transição de soberania de Macau para a China, que em 2019 completa 20 anos. Pode até servir, se quisermos considerar o adeus à Macau portuguesa.

No entanto, a canção mais é o adeus de um emigrante que deixa Macau para residir noutro país, o lamento, a saudade! Ou até de quem residiu em Macau, mesmo não tendo lá nascido.

O autor deste blogue, Rogério Luz, que deixou Macau em 1967 para residir no Brasil, lembra bem de um singelo momento que significou o adeus à sua terra natal. Foi, após as despedidas na sua moradia na Calçada de Tronco Velho, quando seguia de táxi para apanhar o navio Fat San sentido Hong Kong, e ao passar pela Avenida Almeida Ribeiro, veio aquele pensamento, lembrado até hoje: não andaria mais por aquelas arcadas, que tanto fazia na sua juventude. Era o adeus a Macau! Tinha 17 anos, ainda não muito consciente do que é uma saudade, e ávido para conhecer uma nova terra, bem distante, noutro lado do mundo. A volta à terra natal só ocorreu 26 anos depois, no 1º Encontro das Comunidades Macaenses de 1993. Mas, Macau já estava bem diferente. Ainda bem que, mesmo assim, deu para matar as saudades depois daquele triste adeus.

Adeus Macau foi lançada no primeiro cd da Tuna Macaense – Macau Sã Assi – sendo uma composição de Filomeno Jorge (Russo), com letras de Luís Norte e a vocalista original que interpretou bem a saudade era Maria Antonieta Manhão Jorge Meira.

Assista ao vídeo da apresentação filmado pelo autor deste blogue com a bela voz da Isa Manhão acompanhada pela Tuna Macaense, na festa no Jardim Infantil por ocasião do Encontro das Comunidades Macaenses – Macau 2010:

O Encontro das Comunidades Macaenses Macau 2010 foi o marco de todas as edições na animação. Houve participação maciça de músicos locais e da diáspora. No Jardim Infantil, a alegria e a música tomou conta do salão, além de farta degustação de tudo o que há de melhor na gastronomia de Macau.  Isso mostra que é importante abrir espaço para todos, quer seja de residentes como da diáspora que tem levado suas apresentações, como em 2010 e anos anteriores. O Encontro de 2019, nos 20 anos do estabelecimento da RAEM, avizinha-se e há esperanças que tal animação das festas, mesmo poucas, voltem a ser vistas com participação mútua como vi em 2010, embora não tenha estado nas edições de 2013 e 2016. Salve a comunidade macaense de Macau e da Diáspora!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s